Posts

O atendimento aos usuários começará a ser feito amanhã. Foto Assessoria de Imprensa

Treinamento capacita SIRECOM-MS a se tornar um credenciado da empresa ‘Sem Parar’

Equipe do SIRECOM-MS recebe, nesta segunda-feira (29/5), treinamento ministrado por representante da “Sem Parar”, tornando-se capacitada a prestar serviços como ponto de venda da empresa.

 

A iniciativa é inédita no País, já que o SIRECOM-MS é o primeiro  sindicato a se tornar um credenciado da empresa Sem Parar, a entidade estará beneficiando a categoria da Representação Comercial do Estado, como a sociedade campo-grandense de maneira geral.
A empresa oferece cobertura completa em 99% dos pedágios pelo Brasil.  Atualmente não existe nenhum ponto de venda no perímetro urbano de  Campo Grande. O lugar mais próximo é o Anel Viário (BR 163), no posto Caravágio, fato que acarreta muitas reclamações devido à distância.

 

Para o presidente do SIRECOM-MS, José Alcides dos Santos, “a parceria com a empresa Sem Parar será muito positiva, a começar pela maior visibilidade do sindicato, que passará a ser divulgado pelos próprios canais de comunicação da empresa. É um serviço que vamos prestar a Campo Grande, promovendo desta forma maior interação com a sociedade”.
Segundo o executivo do SIRECOM-MS, Joelson Cândido dos Santos, a entidade vem buscando aumentar seu portfólio de benefícios, sendo importante que a categoria usufrua dessa parceria, disseminando aos representantes comerciais do MS, e população em geral. “Nossa intenção é facilitar a vida daqueles que precisam de nossos serviços, levando um atendimento de excelência aos usuários”, disse.

 

*Assessoria de Imprensa

Imagem: Fecomércio/MS

Institutos de Pesquisa compartilham estratégias e discutem tendências em encontro nacional

De 19 a 20 de abril o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio- MS realiza em Bonito (MS) o 9º Fórum Nacional de Dirigentes de Institutos Fecomércio, uma oportunidade de compartilhar estratégias bem sucedidas e também de discutir assuntos como cenário econômico e desafios.O evento será no  prédio do Sebrae.

“Será momento para discutir também capacitação e as oportunidades empreendedoras, também um momento de troca de experiências e fomento a parcerias”, explica o presidente do IPF-MS e da Fecomércio-MS, Edison Araújo.

A programação inclui palestras e intercâmbio de experiências de cada Estado participante. “O IPF-MS, irá apresentar suas experiências de simulações de impactos de tributos, medidas fiscais e até mesmo de alterações do comportamento do consumidor sobre o produto, emprego e renda, utilizando para tanto a matriz insumo-produto (MIP)”, diz a economista Daniela Teixeira Dias.

Confira a programação na íntegra:

19/4/2017 – Quarta-feira

9h  – Abertura – Elizabet Garcia Campos – Presidente do Fórum e Diretora Executiva do IF/DF

9h10 – Abertura –  Edison Ferreira de Araújo – Presidente do IPF/MS e da Fecomércio/MS
Palestra: Economia de MS e suas Potencialidades;
Jaime Verruck – Secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar.

10h – Palestra: “Metodologias de Projeções e Tendências 2017″
Fábio Bentes – Economista Sênior CNC

11h – Palavra aberta dos Presidentes e Superintendentes das Federações
14h30 – Apresentação: Possibilidade de Angariar Recursos Financeiros para os Institutos por Meio do Programa SEBRAETEC.
Alexandra Bramatti – Diretora Executiva IF/TO

15h30 – Momento Interativo

16h – Apresentação: Projeto Caminho do Emprego: Uma Estratégia para o Fortalecimento do Empreendedorismo Local.
Eliane Barcelar – Supervisora de Pesquisa do IF/DF

17h – Palestra: Inovar e Empreender: Startups.
Leandra Costa – Living Lab/SEBRAE – MS

20/4/2017 – Quinta-feira

8h30– Apresentação: Impactos e Tendências: Utilização da Matriz Insumo-Produto e de Métodos de Projeção.
Daniela Teixeira Dias – Economista e Gestora do IPF/MS

9h15 – Apresentação: Projetos Desenvolvidos pelo IF em Pernambuco e o Impacto em Mídia no ano de 2016.
Brena Castelo Branco – Diretora Executiva do IF/PE

10h30– Apresentação: Projeto IF de Bem com a Vida. Investindo na Qualidade de Vida dos Colaboradores.
Elizabet Garcia Campos – Diretora Executiva do IF/DF

11h15 – Estratégias Inovadoras para o Fortalecimento do Fórum Nacional Dirigentes de Institutos Fecomércio

12h- Discussão Coletiva

*Fonte: Fecomércio/MS
Imagem Fecomércio/MS

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio divulga pesquisa conjuntural de serviços e comércio

A partir desta edição o IPF – Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento da Fecomércio-MS divulga dados da Pesquisa Conjuntural de Serviços e Comércio em um único relatório. Outra novidade é que a instituição fez sondagem com empresários de Campo Grande, Dourados e Três Lagoas. “A análise do cenário econômico do nosso Estado ganha em detalhamento de dados que poderão embasar a tomada de decisões tanto do empresário do comércio quanto dos consumidores”, explica o presidente do Sistema Fecomércio-MS, Edison Araújo.

 

De acordo com o levantamento, um dos indícios de recuperação da economia foi o saldo positivo de emprego na área de serviços. “Janeiro e fevereiro apresentam os primeiros sinais de mudança após oito meses de queda”, analisa a economista do IPF, Daniela Dias. A análise do IPF também percebeu a sensibilidade do consumidor em função das variações dos preços do comércio de bens e serviços. “Diante da instabilidade econômica, do comportamento cauteloso dos consumidores e de um aumento nos preços do segmento de serviços (0,58%), houve uma queda na demanda (-23,80%) em percentual superior ao aumento dos preços, acarretando com isso uma queda significativa da receita empresarial (-17,60%), como foi registrado para o mês de janeiro de 2017”.

 

No setor de comércio de bens, em janeiro, o período de pagamento de impostos, seguros e compra de material escolar frearam os gastos do consumidor e o resultado foi baixa venda principalmente para os setores de eletrodomésticos, informática e de bens duráveis. O segmento também registrou mais demissões do que admissões, boa parte ocasionada pela saída dos trabalhadores contratados para o período de Natal (temporários).

 

“Apesar disso, em fevereiro esse saldo passou a ser positivo. E no que se refere a inflação para Campo Grande, os maiores aumentos do IPCA ocorreram em janeiro de 2017 para produtos óticos, automóveis novos e usados, combustível, alimentos e bebidas”, comenta Daniela. “Percebem-se alguns resultados discretamente melhores, apesar de não satisfatórios. Isso reflete o surgimento de alguns indícios de uma recuperação lenta e gradativa para os meses que seguem”.

 

Confira AQUI a pesquisa na íntegra:

 

*Fonte: Fecomércio/MS

Imagem: Agência Brasil

Índice de endividados e indicadores de inadimplência estão maiores na Capital

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) divulgou a PEIC ( Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores) que revela aumento dos indicadores de endividamento e inadimplência.

Neste mês de março, 61,2% informaram ter contas parceladas como cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, prestações de carro e seguros, contra 60,8% em fevereiro.

“Também percebemos o aumento dos indicadores de inadimplência, das pessoas ouvidas, 34% informaram ter contas em atraso, frente a 32,4% em fevereiro e 14,9% disseram que não terão condições de pagar, avanço de um ponto percentual”, diz o presidente do Instituto de Pesquisa da Fecomércio-MS (IPF-MS), Edison Araújo.

O cartão de crédito continua sendo a principal fonte de endividamento, apontado por 63,8%, seguido dos carnês, mencionados por 26,6% e financiamento de carros, 16,3%.

Confira AQUI a pesquisa na íntegra

 

*Fonte: Fecomércio/MS

Imagem Fiems

Mato Grosso do Sul vai integrar Plano Nacional da Cultura Exportadora

Mato Grosso do Sul dará início à implementação do PNCE (Plano Nacional da Cultura Exportadora) no mês de abril. A informação foi repassada pela gerente do CIN (Centro Internacional de Negócios) da Fiems, Fernanda Barbeta, nesta quarta-feira (08/03), durante reunião da Coordenação Nacional do PNCE, na sede do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), em Brasília (DF).

“O PNCE já foi lançado em 20 Estados e Mato Grosso do Sul, que não integra essa lista, estuda o passo a passo da implementação. O CIN da Fiems e a Semade (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico) acompanharam a reunião para conhecer as boas práticas dos outros Estados e replicá-las no Estado de acordo com as nossas particularidades”, explicou Fernanda Barbeta, ressaltando que a intenção é montar o Comitê Gestor até abril e, depois, dar início à implementação das ações do Plano.

Durante a reunião promovida em Brasília, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, apresentou os principais resultados do plano em 2016, a proposta de agenda do PNCE em 2017 e anunciou o início de parcerias com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Também foram discutidas práticas de planejamento, execução e monitoramento do PNCE, além de apresentadas formas de atuação nos Estados e tutorial sobre utilização dos módulos do sistema PNCE.

CNI

Na parceria firmada entre a CNI e o Mdic, a intenção é promover maior participação de empresas brasileiras no comércio exterior. De acordo com o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, as empresas atendidas pelo PNCE poderão participar do Rota Global, novo programa coordenado pela CNI, em parceria com a União Industrial Argentina (UIA) e o Parque Tecnológico de Extremadura na Espanha (Fundecyt-Pctex).

A iniciativa ajudará 500 indústrias a começar a exportar e terá R$ 1,2 milhão em recursos da AL Invest, programa da Comissão Europeia de fomento à competitividade de micro, pequenas e médias empresas da América Latina. “Devemos trabalhar a cultura exportadora das empresas, sobretudo em micro e pequenos negócios, mais voltados para o mercado doméstico. O PNCE está no caminho certo e conta com a colaboração da CNI e de todas as federações de indústrias”, afirmou Robson Braga de Andrade.

O ministro Marcos Pereira ressaltou a importância da parceria com o Sistema Indústria e afirmou que a busca da competitividade da economia brasileira tem sido uma das prioridades do governo. “Estamos buscando ampliar a participação das nossas empresas no mercado internacional por meio de ações como o PNCE e soluções internas para a melhoria da competitividade do comércio exterior”, disse o ministro, completando que, incluindo o Rota Global, o programa oferecerá cerca de 200 ações de apoio a novos exportadores ao longo do ano.

Rota Global

Por meio da Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), coordenada pela CNI, o Rota Global oferecerá consultoria completa para empresas não exportadoras empreenderem no mercado internacional, com diagnóstico, desenho de estratégia de exportação e acompanhamento da execução do plano. Em julho, será aberto o prazo para indústrias interessadas se inscreverem. Negócios de todos os portes, setores e estados poderão participar.

A meta é traçar o diagnóstico de 500 empresas, desenvolver planos de negócios para 200 delas e, ao final do projeto, em 2018, ter ao menos 100 novas empresas com operação concreta de exportação. Por ser fruto de uma parceria internacional, o Rota atenderá indústrias no Brasil (75%), na Argentina (20%) e na Espanha (5%). Nacionalmente, a execução do projeto contará com o apoio dos Centros Internacionais de Negócios das federações de indústrias dos estados e do Distrito Federal.

O AL-Invest é um Programa da Comissão Europeia para fomentar a produtividade e a competitividade de MPMEs, na América Latina como forma de combater a pobreza e a desigualdade social. Na segunda convocatória da quinta edição, foram disponibilizados 4,9 milhões de euros para financiar projetos na região.

PNCE

O PNCE é coordenado pelo MDIC e reúne iniciativas de instituições parceiras nacionais e estaduais, com o objetivo de aumentar a base exportadora, estimulando a inserção de empresas de pequeno porte no mercado externo. Em 2017, além das ações de capacitação de empresas, o PNCE prevê a integração entre política industrial e política de apoio às exportações, realizada a partir da convergência entre o PNCE e o Brasil Mais Produtivo.

Além disso, será lançado o Portal PNCE, área pública do Sistema PNCE que irá divulgar casos de sucesso, a programação de atividades nos Estados. A intenção é permitir a inscrição de empresas, o atendimento personalizado de dúvidas das empresas cadastradas, além de aprimorar a comunicação e troca de informações entre os Comitês Estaduais do PNCE.

*Fonte Fiems

Imagem: Fiems

Passo a passo da exportação será abordado em capacitação da Fiems

O CIN (Centro Internacional de Negócios) da Fiems promove, no próximo dia 16 de março, na sala de treinamento do IEL de Campo Grande, localizado na Avenida Afonso Pena, 1.031, no Bairro Amambaí, a primeira capacitação de 2017: “Exportação Passo a Passo”. O evento tem o objetivo de sensibilizar empresários e profissionais sobre a importância da estratégia na decisão de início dos processos de exportação.

Segundo a gerente do CIN da Fiems, Fernanda Barbeta, a ação vai propiciar uma visão ampla e estruturada do processo de internacionalização. “Os empresários que pretendem iniciar operações no mercado externo precisam estar atentos a uma série de fatores. A capacitação trabalhará as estratégias de atuação no mercado externo, além de procedimentos para evitar erros comuns”, frisou.

A capacitação, que será oferecida com apoio do Sebrae Nacional, terá carga horária de 8 horas e será comandada pelo especialista em Gestão Estratégica e Competitividade Internacional e mestre em Relações Internacionais, Sherban Leonardo Cretoiu. Os interessados podem se inscrever pelo link http://mundosphinx.com.br/app/cni_v2/index.php?acesso=cap_export-passo-passo.

Serviço – Mais informações podem ser obtidas no telefone (67) 3389-9251 ou e-mail cin@fiems.com.br

*Fonte: Fiems

Imagem: Fiems

Faturamento da indústria cresce 0,7% e emprego cai 0,5%

O faturamento da indústria cresceu 0,7% e o rendimento médio do trabalhador aumentou 0,6% em janeiro de 2017 na comparação com dezembro do ano passado, na série livre de influências sazonais. No mesmo período e na mesma base de comparação,  o nível de utilização da capacidades instalada teve alta de 0,5% e alcançou 77,2%, informa a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta terça-feira, 7 de março, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Os demais indicadores foram negativos. As horas trabalhadas na produção caíram 0,9%, o emprego recuou 0,5% e a massa real de salários teve queda de 1,5% em janeiro frente a dezembro, na série livre de influências sazonais. “O início de 2017 para a indústria de transformação foi marcado pela manutenção das dificuldades observadas em 2016″, observa a pesquisa.

Na avaliação da CNI, os dados indicam que ainda não há sinais claros de recuperação da atividade industrial.  Na comparação com janeiro de 2016 todos os indicadores continuam negativos. O faturamento real teve queda da 6,9%, as horas trabalhadas na produção caíram 2,1%, o emprego recuou 4,7%, a massa real de salários diminuiu 5,4% e o rendimento médio real do trabalhador encolheu 0,6%.

*Fonte: CNI

Foto Assessoria de Imprensa

SIRECOM-MS retoma negociação com empresa ‘Sem Parar’

Em segunda e recente reunião realizada com a representante da empresa “Sem Parar”, o SIRECOM-MS conseguiu fechar parceria beneficiando não só o próprio sindicato e a categoria, como a sociedade campo-grandense de maneira geral.

Depois da avaliação do contrato de prestação de serviços que será feita por sua assessoria jurídica, o sindicato com a assinatura do convênio passará a ser um credenciado, exercendo a função de ponto de venda da empresa, que oferece cobertura completa em 99% dos pedágios pelo Brasil. “O SIRECOM-MS será o primeiro sindicato do País a firmar parceria conosco”, informou Larissa Corrêa Otero, que no ato representou o Sem Parar.

Presidente José Alcides com a representante da empresa "Sem Parar". Foto Assessoria de Imprensa

Presidente José Alcides com a representante da empresa “Sem Parar”. Foto Assessoria de Imprensa

A iniciativa inédita vai facilitar a vida dos interessados em adquirir o Sem Parar, visto que atualmente não existe nenhum ponto de venda no perímetro urbano de  Campo Grande. O lugar mais próximo é o Anel Viário (BR 163), no posto Caravágio. Larissa observou que muitos clientes reclamam muito da distância. “Mesmo que nossas reivindicações não tenham sido atendidas em sua totalidade, a parceria com a empresa Sem Parar será muito positiva, a começar pela maior visibilidade do sindicato, que passará a ser divulgado pelos próprios canais de comunicação da empresa. É um serviço que vamos prestar a Campo Grande, promovendo desta forma maior interação com a sociedade”, destacou Alcides.

A equipe do SIRECOM-MS passará por um treinamento, sendo capacitada para prestar um trabalho de excelência aos usuários. Segundo Larissa, a previsão é de que os serviços passem a ser oferecidos no sindicato dentro de 30 dias, depois de cumprido todos os trâmites legais para a assinatura do convênio.

Na avaliação do presidente Alcides, é importante que a categoria acompanhe todas as ações do sindicato, mesmo em fase de negociações. Ele destacou que “a divulgação de nosso trabalho vem atender a transparência de nossas ações. Portanto, mesmo que não consigamos êxito no fechamento de alguma parceria, fazemos questão de os representantes comerciais ficarem a par de tudo que acontece no sindicato”.

 

*Assessoria de Imprensa

Imagem: Fiems

Indústria de MS encerra 2016 com saldo positivo de 943 postos de trabalho

O setor industrial de Mato Grosso do Sul, que é composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, encerrou o ano de 2016 com saldo positivo de 943 postos formais de trabalho, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, apesar de o mês de dezembro do ano passado ter registrado o fechamento de 1.974 vagas, a geração de emprego no setor sul-mato-grossense foi positiva na maior parte do ano, revertendo o quadro de demissões observado em 2015, quando foram fechadas 9.243 vagas na indústria estadual.

Ainda de acordo com ele, no ano, os melhores resultados foram identificados pelos segmentos da indústria da construção (+2.111), serviços industriais (+453), alimentos e bebidas (+122), indústria da borracha, couro e diversas (+104) e indústria do material elétrico (+103). “Levando em conta todos os setores da economia estadual foram fechadas 7.797 vagas apenas no mês de dezembro, enquanto no acumulado do ano o resultado aponta para o encerramento de 1.123 postos de trabalho. Apesar de negativo, o desempenho observado apresenta sensível melhora na comparação com 2015, quando foram fechadas quase 12 mil vagas no mercado de trabalho sul-mato-grossense”, analisou.

Contingente

O conjunto das atividades industriais em Mato Grosso do Sul encerrou dezembro de 2016 com 126.178 trabalhadores empregados, indicando queda de 1,5% em relação a novembro. “Mesmo com a redução observada, a indústria terminou o ano com o 3º maior contingente de trabalhadores formais do Estado. Atualmente, a atividade industrial responde por 19,6% de todo o emprego formal existente em Mato Grosso do Sul, ficando atrás dos setores de serviços, que emprega 191.859 trabalhadores e tem participação equivalente a 29,8%, e da administração pública, com 129.958 trabalhadores ou 20,2% do total”, detalhou Ezequiel Resende.

O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems acrescenta que, considerando que em 2016 o salário nominal médio na indústria estadual foi de R$ 2.060,41 – estimado com base no salário nominal médio de 2015 obtido pela RAIS -, a massa salarial paga aos industriários sul-mato-grossenses ao longo do ano alcançou o equivalente a R$ 3,119 bilhões. “O montante é 7,3% superior ao registrado em 2015, quando atingiu o valor de R$ 2,907 bilhões”, informou.

Desempenho

Em Mato Grosso do Sul, ao fim do ano passado, 85 atividades industriais apresentaram saldo positivo de contratação, proporcionando a abertura de 5.628 vagas, com destaque para a montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (+1.850), construção de rodovias e ferrovias (+456), obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações (+448). Por outro lado, 127 atividades industriais apresentaram saldo negativo, proporcionando o fechamento de 4.685 vagas, tendo como responsáveis a fabricação de álcool (-455), obras de engenharia civil não especificadas anteriormente (-352), fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado (-329) e construção de edifícios (-249).

Em relação aos municípios, constata-se que em 43 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação em 2016, proporcionando a abertura de 4.649 vagas, sendo que as cidades com saldo positivo de pelo menos 100 vagas foram Três Lagoas (+2.464), Aparecida do Taboado (+541), Água Clara (+389), Nova Alvorada do Sul (+265), Mundo Novo (+123) e Nova Andradina (+123). Por outro lado, em 36 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando a fechamento de 3.706 vagas, sendo que as cidades com saldo negativo foram Campo Grande (-1.023), Dourados (-647), Bataguassu (-367), Paranaíba (-222), Eldorado (-209), Costa Rica (-155), Terenos (-145), Itaquiraí (-135), Corumbá (-125) e Naviraí (-121).

*Fonte: Fiems

Imagem: Divulgação

Procon/MS alerta para recall em veículos com problemas no airbag

A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS), ligada à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), alerta os consumidores sul-mato-grossenses para a campanha de chamamento de recall de veículos do modelo Pajero Full, fabricado pela Mitsubishi Motors Corporation (MMC). No Brasil, foram comercializados 19.104 veículos do modelo Pajero Full, 341 desses em Mato Grosso do Sul.

Os veículos foram fabricados no Japão entre janeiro de 2007 e fevereiro de 2016. Segundo a Mitsubishi Motors Corporation (MMC), os veículos identificados não apresentam a conformidade necessária no processo de produção do insuflador da bolsa do airbag do motorista, permitindo a deflagração inadequada do insuflador que pode resultar na ruptura de sua carcaça com a projeção de fragmentos metálicos.

Foi verificado que os veículos afetados estão equipados com um airbagfrontal para o motorista suscetível à penetração de umidade no interior do insuflador, encontrada quando da utilização do veículo por um longo período em regiões de alta umidade atmosférica.

A Mitsubishi informou que desde fevereiro de 2016 foi cessada a produção destes modelos que utilizavam a bolsa do motorista com esse defeito. A HPE Automotores do Brasil Ltda. começou a comunicar o consumidor sobre o problema em 11/10/2016 e iniciará o reparo com a substituição gratuita do insuflador da bolsa de airbag do motorista em 07/11/2016.

Para mais informações, o consumidor poderá entrar em contato com a Rede de Concessionárias Mitsubishi Motors pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) 0800 702 0404, de segunda a sexta, das 8 às 18 horas, e-mail sac@hpeautos.com.br ou no site www.mitsubishimotors.com.br. O agendamento do serviço é gratuito e possui tempo estimado de realização de uma hora.

A campanha de chamamento abrange os veículos com numeração de chassi, não sequencial, com finais compreendida de 8JA00101 a 9JA01155, para os fabricados entre 2007 e 2009, e de AJA00101 a GJA01366, para os fabricados de 2009 a 2016.

 

Orientações do Procon/MS

Para proteger a saúde e a segurança do consumidor o recall deve ser realizado pelo fornecedor quando for constatado um produto danificado. O Código de Defesa do Consumidor (CDC) determina que o fornecedor repare ou troque o produto defeituoso a qualquer momento e de forma gratuita.

 

*Assessoria de Comunicação da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS)