Posts

Imagem Fiems

‘Prévia’ do PIB sobe 1,12% no 1º trimestre e indica fim da recessão

A economia brasileira voltou a crescer no primeiro trimestre deste ano e saiu da pior recessão de sua história, segundo um indicador do nível de atividade divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (15).

O chamado Índice de Atividade Econômica da autoridade monetária, o IBC-Br, registrou crescimento de 1,12% de janeiro a março deste ano, na comparação com o trimestre anterior.

O IBC-BR é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB). Os números oficiais do PIB do primeiro trimestre deste ano, porém, serão divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) somente no dia 1º de junho.

O país entrou na chamada “recessão técnica”, que se caracteriza por dois trimestres seguidos de contração do Produto Interno Bruto (PIB), no segundo trimestre de 2015 – quando houve um tombo de 1,9% na atividade econômica.

Se confirmado o resultado positivo no primeiro trimestre deste ano pelo IBGE na divulgação oficial, o Brasil terá interrompido uma série de oito trimestres consecutivos de recuo do nível de atividade.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2015, o PIB teve uma retração de 3,8% e, no ano passado, a economia registrou um encolhimento de 3,6%. Para 2017, a previsão dos bancos é de uma alta de cerca de 0,5% no PIB.

Como a retração nos anos de 2015 e 2016 superou a dos anos 30, essa é a pior crise já registrada na economia brasileira. O IBGE e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) dispõem de dados sobre o PIB desde 1901.

O que diz a equipe econômica

Na semana passada, em cerimônia que marcou um ano da gestão do presidente Michel Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, antecipou que o Brasil já registrou crescimento econômico no primeiro trimestre deste ano, mas acrescentou que o país ainda vive os efeitos da recessão.

“A recessão que encontramos foi maior que a depressão de 1930 e 31. O tempo do verbo é no passado. A recessão que ‘vivemos’. O Brasil já voltou a crescer, mas estamos ainda vivendo os efeitos da recessão. O desemprego está elevadíssimo, deve crescer ainda um pouco, pois tem reação um pouco mais lenta a retomada, mas começa a cair no segundo semestre”, declarou o ministro Meirelles na ocasião.

Os dados ainda não mostram uma recuperação consistente. O comércio varejista, por exemplo, registrou a maior queda para o mês de março em 14 anos e, no primeiro trimestre, apresentou um recuo de 3%. A produção industrial, por sua vez, caiu 1,8% em março em comparação com fevereiro – março mais fraco desde o início da série histórica, em 2002 – embora tenha subido 0,6% no primeiro trimestre.

Para tentar reaquecer a economia, o governo Michel Temer tem anunciado medidas como a liberação de saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O Banco Central também vem reduzindo a taxa Selic, o que deve se traduzir em queda dos juros dos empréstimos bancários.

Mês de março e doze meses

Apesar da recuperação no primeiro trimestre, os dados do BC mostram que, somente em março, o nível de atividade registrou retração de 0,44% na comparação com fevereiro. Neste caso, a comparação foi feita após ajuste sazonal.

Foi a primeira queda do indicador neste ano e o maior recuo mensal desde agosto de 2016 – quando foi registrado um tombo de 0,66% no nível de atividade calculado pelo BC. Sem ajuste, houve uma alta de 9,28% no IBC-Br em março deste ano.

Já no acumulado em 12 meses até março, ainda segundo a autoridade monetária, a prévia do PIB (indicador dessazonalizado) do Banco Central registrou contração de 2,78% (sem ajuste, a queda é de 2,63%).

IBC-Br x PIB

Embora o cálculo seja um pouco diferente, o IBC-Br foi criado para tentar ser um “antecedente” do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos.

Os resultados do IBC-Br, porém, nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE. O Banco Central já informou anteriormente que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas “um indicador útil” para o BC e para o setor privado.

Recentemente, o BC atualizou a metodologia de cálculo, incorporando novos indicadores, com destaque para a utilização da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) em substituição à Pesquisa Mensal de Emprego (PME), além de outras mudanças.

Definição dos juros

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, os juros básicos estão em 11,25% ao ano.

Pelo sistema que vigora no Brasil, o BC precisa ajustar os juros para atingir as metas preestabelecidas de inflação. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas ficam dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

Para 2017, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Desse modo, o IPCA, considerado a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 3% e 6%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

Neste ano, o mercado financeiro, e também a autoridade monetária, acreditam que a inflação oficial ficará abaixo da meta central de 4,5% – algo que não acontece desde 2009. O Banco Central tem dito que mira no centro da meta de inflação de 4,5% nos anos de 2017 e de 2018.

*Fonte: Fiems

A previsão é que o PIB deste ano caia  de 3,3% em relação a 2014, com a queda de 6,4% no PIB industrial. Foto: Divulgação

Recessão continuará e indústria brasileira encolherá mais 4,5% em 2016, estima CNI

A economia brasileira continuará encolhendo no ano que vem. O Produto Interno Bruto (PIB) terá uma queda de 2,6%, puxado especialmente pela retração de 4,5% na indústria. O desemprego alcançará 11%, o consumo das famílias diminuirá 3,3% e os investimentos cairão 12,3%. As estimativas estão na edição especial do Informe Conjuntural – Economia Brasileira, divulgado nesta quarta-feira, 16 de dezembro, pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Pouco se avançou para a construção de um ajuste fiscal crível e permanente, aliado a mudanças estruturais capazes de impulsionar a recuperação da atividade econômica. Por isso, o cenário para 2016 não é diferente do observado em 2015″, diz o estudo. A CNI avalia que a instabilidade política adiará as medidas necessárias para a recuperação da confiança dos agentes econômicos. “Os eventos políticos recentes, que culminaram na abertura do processo de impedimento da presidente da República, adicionam grau de complexidade ainda maior ao momento. Esse cenário conturbado marcará os primeiros meses de 2016, indicando que a travessia em direção à recuperação econômica deverá ser mais difícil e demorada.”

No estudo, a CNI avalia as dificuldades  enfrentadas pela economia em 2015, ano que fechará com a inflação de 10,5%. “Há dois fatos preocupantes sobre a economia brasileira em 2015. O primeiro é que os principais componentes do PIB pelo lado da demanda (consumo das famílias) e pelo lado da oferta (serviços) irão diminuir em 2015, o que não acontecia há mais de uma década. O segundo é o fato dos investimentos caírem pelo segundo ano consecutivo em magnitude superior a 10%”, destaca o estudo.

A previsão é que o PIB deste ano caia  de 3,3% em relação a 2014, com a queda de 6,4% no PIB industrial. O consumo das famílias encolherá 3,9%, os investimentos diminuirão 15,5% e o desemprego chegará a 8,3%. “Os números efetivos do ano podem ser ainda mais negativos, com o impacto dos acontecimentos recentes”, ressalta a CNI. O ano de 2015 foi especialmente negativo para a indústria. As estimativas atuais confirmam que a participação do setor no PIB cairá para menos de 20%, a menor desde os anos 50. A participação da indústria de transformação será de apenas 9,3%.

CENÁRIOS – Diante dessas estimativas, a CNI traçou dois cenários de médio prazo para o Brasil. Ambos dependem das escolhas que o país fará para enfrentar a crise. Os dois cenários são:

1. Correção de rota – O país prosseguirá com as mudanças em andamento, aprofundará o ajuste  permanente das contas públicas e avançará na agenda de reformas estruturais. “Nesse caso, após um período de ajuste expressivo, a economia gradualmente recompõe a confiança e eleva sua competitividade, sendo possível vislumbrar um novo ciclo de crescimento a partir de 2017.”

2. Ajustes pontuais – O país continua com dificuldades em definir e mudar o atual regime fiscal e tributário e de avançar na agenda da competitividade. Com isso,  as incertezas e a falta de confiança permanecem e a economia enfrenta um longo período de estagnação.

Na avaliação da CNI, a economia só voltará a crescer se o país adotar uma  agenda baseada em três eixos:  medidas de estabilidade macroeconômica, ajuste fiscal de longo prazo  e melhoria do ambiente de negócios e da segurança jurídica. “Apenas nesse ambiente a economia voltará a crescer de forma sustentada”, destaca o estudo da CNI.

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA – O documento da CNI Regulação e Desburocratização: propostas para melhoria do ambiente de negócios contém 94 propostas de baixo impacto fiscal para estimular a competitividade e ajudar o país a sair da crise. As principais propostas são:

1. Ajuste macroeconômico e equilíbrio fiscal de longo prazo

•Reduzir os gastos públicos

•Rever as regras automáticas de aumentos das despesas públicas

•Buscar o equilíbrio fiscal de longo prazo, impedindo medidas que aumentam os gastos públicos

•Fazer a reforma da Previdência

2. Tributação

•Evitar a criação de impostos ou a elevação das alíquotas dos tributos existentes

•Simplificar e desburocratizar o sistema de arrecadação de impostos

• Harmonizar as regras do ICMS

•Rever as contribuições ao PIS-Cofins

•Ampliar os prazos de recolhimento de IPI e PIS-Cofins

3. Relações do trabalho

•Modernizar a legislação trabalhista

•Valorizar e estimular as negociações coletivas

•Regulamentar a terceirização

•Rever a Norma Regulamentadora 12, que trata da segurança de máquinas e equipamentos

4. Comércio exterior

•Buscar acordos de facilitação do comércio com outros países e blocos econômicos

•Dar prioridade para os acordos comerciais com o México e a União Europeia

•Não conceder à China o status de economia de mercado

5. Infraestrutura

•Criar condições para garantir rentabilidade e segurança aos investidores privados nas obras de infraestrutura

•Acelerar o arrendamento de áreas portuárias públicas

•Estimular a produção de gás natural em terra

•Revisar o papel da Petrobras nas licitações do pré-sal

•Simplificar os processos de licenciamento ambiental

•Estabelecer novas regras para as agências reguladoras

6.  Produtividade e inovação

•Preservar  os instrumentos de apoio às atividades de Pesquisa & Desenvolvimento

•Estimular o desenvolvimento de startups e pequenas empresas de base tecnológica

•Incentivar a formação de recursos humanos para a inovação

•Promover parcerias entre universidades, centros de conhecimento e empresas

 

Fonte: Fiems