Imagem: Fiems

Mesmo com Carne Fraca, exportação de carnes brasileiras sobe 9% em março

A exportação de carnes pelo Brasil aumentou 9% em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou na noite de ontem (03/04) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). O resultado positivo ocorreu apesar da Operação Carne Fraca, deflagrada em 17 de março, e das restrições à importação da carne brasileira adotadas por alguns países logo após a divulgação das suspeitas, que incluiam corrupção de fiscais agropecuários e venda de carne estragada.

Segundo o MDIC, a exportação de carnes de frango, bovina e suína, juntas, somaram US$ 1,34 bilhão em março. No mesmo mês de 2016, foram de US$ 1,23 bilhão. Os valores consideram os embarques de carnes in natura e processadas. Entretanto, se consideradas as exportações por tipo de carne, houve queda nas vendas da bovina para outros países em março. De acordo com o MDIC, as exportações somente de carne bovina in natura somaram US$ 404 milhões no mês passado, contra US$ 411 milhões de março de 2016.

As exportações de carne de frango e suína in natura, por outro lado, aumentaram no mês passado. A primeira, passou de US$ 511 milhões para US$ 571 milhões e, a segunda, de US$ 99 milhões para US$ 138 milhões.

Poucos dias depois da deflagração da Operação Carne Fraca, o MDIC chegou a divulgar números que apontavam para um tombo nas exportações de carne pelo Brasil. Nos dias seguintes, porém, as restrições à carne brasileira foram suspensas por alguns países, entre eles a China, maior importador do produto em 2016.

Impacto baixo

Segundo o diretor do departamento de estatísticas e apoio à exportação do MDIC, Herlon Brandão, a Carne Fraca quase não teve impacto nas exportações de carnes brasileiras. Houve uma redução na média diária de exportações na quarta semana do mês, logo após a operação, mas depois houve uma recuperação.

Até a terceira semana do mês de março a média diária de exportação do segmento carnes foi de US$ 63 milhões, caindo para US$ 50 milhões na quarta semana e, depois, subindo para US$ 52 milhões na quinta semana. No mês, a média diária foi de US$ 57 milhões.

Segundo Herlon Brandão, mesmo a queda verificada na exportação de carne bovina não teve impacto da operação, segundo ele, no primeiro bimestre a venda de carne bovina in natura já vinha apresentado redução de 4,5%. “Uma queda concentrada nas compras do Egito, que é um comprador importante que tem reduzido a compra de carne bovina”, afirmou.

*Fonte: Fiems