Imagem: Fiems

consultor aponta ‘desconforto’ como maior virtude da crise

“A maior virtude da crise é o desconforto. Como gostamos de conforto, vamos lutar para voltar a ele”. A frase é do consultor de empresas Gilclér Regina, palestrante de renome nacional que esteve no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), na noite desta segunda-feira (22/05), falando para um público composto por empresários e diretores do Sistema Indústria. A ação integra a programação do Mês da Indústria, uma iniciativa da Fiems com patrocínio do Sebrae/MS.

Gilclér Regina, que já fez mais de quatro mil palestras e falou para mais de 1,5 milhão de pessoas ao redor do mundo, abordou sobre “O Brasil que dá certo e transforma oportunidades em resultados”, tema sobre o qual discorre há mais de 20 anos. “Crises são cíclicas, vêm e vão tal e qual as ondas do mar. Existem pessoas e empresas vencendo nas piores cidades, nos piores países, da mesma maneira que existem pessoas e empresas fracassando nas melhores cidades, em países de primeiro mundo, com todas as condições. Não importa se as chances são maiores ou menores. Importa que elas existam”, declarou.

Para o presidente da Fiems, Sérgio Longen, a palestra não poderia ser feita em oportunidade mais propícia. “O Gilclér Reginal desempenha um trabalho de extrema relevância, sobretudo em tempos pessimistas como o que vivemos. Tenho certeza que os espectadores saíram deste evento com outra visão, cientes de que somente com esperança conseguiremos alcançar o Brasil que queremos”, afirmou.

Atraída pelo tema da palestra, a gerente administrativa e financeira da empresa Natubom, Nayane dos Santos Alves, acredita que é nas crises que as oportunidades aparecem. “Concordo com o palestrante quando ele avalia o atual cenário político nacional como uma oportunidade de reinvenção. Acredito que esse choque de realidade despertou boa parte da população, que não vai mais aceitar quieta os desmandos de uma classe política focada em privilégios”, pontuou.

Já o empresário Richardson Valentim Correia, que representa o que o palestrante classifica como “bom fruto da crise”, revela que, há oito meses, em um cenário de completa instabilidade econômica, abriu a própria empresa de importação de produtos eletrônicos, a TeChargers. “Já trabalhava em empresas do mesmo ramo e decidi abrir o meu própria negócio. Acredito que foi a decisão mais acertada que poderia ter tomado e sei que, a partir de agora, preciso concentrar meus esforços em continuar trabalhando da maneira certa, para potencializar os resultados”, finalizou.

*Fonte: Fiems